Harry Potter

6 Comentários

Hoje Harry completa 30 anos e, depois de ler a história da Feanari, da Ceinwyn e da Izze, eu resolvi contar minha história aqui também.

Eu ganhei o primeiro livro em agosto de 2000. Naquele ano, saiu uma reportagem sobre HP na Veja e minha então professora de português colocou um trecho dessa reportagem numa prova. Teve uma questão que poucas pessoas acertaram e eu, que nunca fui boa em interpretação de texto, fui uma delas e fiquei tão empolgada que procurei a reportagem nas Vejas antigas daqui de casa pra ler a reportagem inteira. Pouco tempo depois, meu pai foi a São Paulo e voltou com o livro, que foi devorado por mim.

Logo depois de ter me apaixonado pela história de Harry, saiu uma reportagem no caderno Estadinho, do jornal Estadão, falando do segundo livro e eu fui correndo pedir pros meus pais comprarem. Este eu li em 2 dias, durante uma viagem de família para Caldas Novas (GO).

O terceiro só foi lançado em português em dezembro de 2000, então eu tive que esperar. Mas, quando chegou, eu também li em 2 dias. No primeiro, meus pais foram em um jantar aleatório e eu fiquei lendo até eles voltarem pra casa (1am). No segundo, quando meu pai pediu pra eu parar de ler um pouco, lá pras 8 da noite, só faltavam 8 páginas pra acabar.

O quarto livro só saiu no Brasil em junho de 2001. Enquanto ele não chegava, eu relia os outros 3. Quando ele chegou, eu estava em semana de provas, e minha mãe ficava me vigiando pra eu não esquecer disso e grudar no livro. Mas, passada esta semana, eu me dediquei totalmente ao livro, e fiquei realmente tensa durante a Primeira Tarefa.

Agora um parênteses sobre como era a minha vida na época: quando eu fiz a prova que me fez descobrir HP, eu morava em Caconde (SP) e estudava em Guaxupé (MG), no Colégio D. Inácio. Quando eu ganhei o primeiro livro, eu estava morando e estudando em Limeira (SP), porque meu pai (gerente do Banespa) tinha sido transferido pra lá. Em 2001, o Santander comprou o Banespa e fez um Programa de Demissão Voluntário (PDV), meu pai aderiu e foi um dos primeiros a sair. Então, em julho daquele ano, a família toda se mudou pra Guaxupé, pois meu pai usou uma parte do dinheiro que recebeu pra entrar como sócio no supermercado da minha tia (ela já tinha este supermercado em Guaxupé há alguns anos, só que com outro sócio), eu e meu irmão voltamos pro D. Inácio, e minha mãe ficaria viajando pra Caconde todo dia (ela é agente administravivo numa escola do estado, aka funcionária pública; no ano que passamos em Limeira, ela tirou licensa repetidamente).

Portanto, não é de se espantar que eu não tivesse amigos, depois de tantas mudanças, mas o pessoal do D. Inácio ainda lembrava de mim, e lá eu descobri pessoas interessadas em ler os livros, e não hesitei em emprestá-los. Um bom tempo se passou até o quinto livro ser lançado por aqui, o que aconteceu em dezembro de 2003, e aí eu vou ter que fazer mais um parênteses, pra falar de Tolkien. Porque, enquanto, o livro 5 não vinha, nós fãs tínhamos notícias do primeiro filme pra nos distrair, e meu pai, sabendo do meu interesse, sempre me avisava quando saia algo no jornal. Foi assim que ele chamou minha atenção para uma reportagem gigantesca que saiu sobre O Senhor dos Anéis, o filme A Sociedade do Anel ia ser lançado mais ou menos na mesma época que Harry Potter e a Pedra Filosofal, ambos os filmes baseados em livros de grande sucesso. Eu já tinha visto O Senhor dos Anéis sendo sugerido como uma leitura sugerida para fãs de Harry Potter. Estávamos no final de 2001, A Ordem da Fênix não tinha data pra ser lançada. Por que não pedir a trilogia de Tolkien de Natal? Foi o que eu fiz, ganhei a Edição Comemorativa do SdA e O Hobbit, e consegui ler a Sociedade do Anel antes de ver o filme, que só chegou em janeiro de 2002 em Guaxupé. Do primeiro filme de Harry Potter, que fui ver com meu pai, só posso dizer que fiquei decepcionada, e que sabia todos os diálogos de cor.

Depois de 2 anos de espera, o quinto livro veio, em dezembro de 2003, e me encontrou com um corte no pé que levou 3 pontos e 2 semanas até que eu voltasse a andar normalmente. Nessas 2 semanas, eu li o livro 2 vezes. Quando as aulas voltaram, em fevereiro do ano seguinte, minhas amigas fizeram fila para ler o livro.

O sexto livro foi o primeiro que eu comprei em inglês. A tradução brasileira só ia sair no final de 2005, ano de vestibular. Meu inglês já tinha melhorado bastante com o curso do CCAA, e eu sabia que Harry Potter não era uma leitura difícil, e deixar pro final do ano iria me distrair das provas que decidiriam meu futuro. Ainda assim eu estava em dúvida. Até que meu irmão viu que o livro estava em promoção nas Americanas, aí eu não resisti, comprei meu primeiro livro em inglês. Quando ele chegou, eu já sabia dos boatos da morte de mais um personagem importante, e tive a sorte de abrir o livro bem na página do “Avada Kedavra”. Até ler o livro todo e chegar naquela parte, eu já tinha digerido bem o spoiler.

O sétimo e último livro me encontrou na Unicamp, no segundo ano do curso de Estatística. Mesmo tendo feito boas amizades no D. Inácio, eu me sentia deslocada lá e achei que, quando fosse pra faculdade, isso iria mudar. Não mudou, na Unicamp eu me sentia mais deslocada do que em Guaxupé. O que me salvou foi Tolkien e o maior fórum que eu conheço sobre ele, o Fórum Valinor. Mas eu nunca teria descoberto Tolkien sem Harry Potter. Foi na Valinor que eu descobri o meu lugar no mundo: entre os nerds/geeks. E, pra honrar meu lado nerd (e não ficar tentada demais a ler spoilers), também comprei o livro sete em inglês.

Os sete livros contam a história de sete anos na vida de Harry, Ron e Hermione. Do início até o fim, eles ocuparam sete anos da minha vida. Sete anos que fizeram uma pré-adolescente tímida e deslocada virar uma jovem nerd que conheceu a maior parte de seus bons amigos (e até arrumou namorado) pela internet.

Obrigada, Harry. Obrigada, Ron. Obrigada, Hermione. Malfeito feito!

Anúncios

6 comentários sobre “Harry Potter

  1. Verdade, Feanari

    E fico com raiva daqueles que nunca leram e ficam tirando sarro da gente que gosta.. hauhauuaa

    É bom ver como os livros aproximam tanto e fazem a gente se sentir bem. =]

  2. Pingback: Harry Potter (via Isa doesn’t ring a Bel) « Randômica!

  3. Eu tbm tenho a agradecer por ler HP.
    Como tu, foi ele que me fez procurar outros livros, como SdA e conhecer o fórum e consequentemente as pessoas que gostavam das mesmas coisas que eu ^^

    =*

  4. Pingback: Só me restam os livros* « Supernova

Comente

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s