Philip Pullman

Deixe um comentário

Na parte de Literatura do Fórum Valinor, existe um projeto chamado Autor da Semana, onde os usuários indicam um autor de sua preferência e uma enquete decide qual será o da semana. O usuário que indicou o autor é responsável por abrir um tópico sobre o mesmo. Eventualmente, o autor que eu indico é escolhido.

Vida e Carreira

Philip Pullman nasceu em Norwich, Inglaterra, filho de Audrey Evelyn Pullman e de Alfred Outram Pullman, piloto da Força Aérea Real. A família viajou de acordo com o trabalho do pai, e chegou a morar no Zimbábue, onde Philip estudou por um tempo.

Seu pai faleceu em um acidente de avião em 1953, quando Pullman tinha 7 anos. Sua mãe casou de novo e foram morar na Austrália. Foi lá que Pullman descobriu as histórias em quadrinhos, como Superman e Batman, paixão que dura até hoje. A partir de 1957, estudou em Ysgol Ardudwy em Harlech (País de Gales), e passou um tempo em Norfolk com seu avô, um clérigo. Foi por volta desta époce que Philip descobriu Paradise Lost, de John Milton, que depois se tornou uma grande influência para His Dark Materials.

Em 1963, Pullman entrou na Exeter College, Oxford, onde recebeu o diploma de bacharelado ‘terceira classe’ em 1968. Em uma entrevista para o Oxford Student, disse que não gostou do curso de Inglês e que “achava que estava indo bem até que recebi o diploma de terceira classe e percebi que não estava – foi no ano em que pararam de dar diplomas de quarta classe, senão eu teria recebido um desses”. Ele descobriu as ilustrações de William Blake, que também o influenciaram bastante, por volta de 1970.

Pullman se casou com Judith Speller em 1970, começou a lecionar para crianças de 9 a 13 anos em Bishop Kirk Middle School e a escrever peças escolares. Seu primeiro trabalho a ser publicado foi The Haunted Storm, que ganhou o New English Library’s Young Writer’s Award em 1972. Ele se recusa a comentar o assunto.Galatea, um romance de ficção adulto, foi publicado em 1978, mas foram suas peças escolares que inspiraram seu primeiro livro infantil, Count Karlstein, em 1982. Ele parou de lecionar perto da publicação de The Ruby in the Smoke (1986), seu segundo livro infantil, que indica um certo interesse de Philip pela Era Vitoriana.

Entre 1988 e 1996, deu aulas em Westminster College, Oxford, enquanto continuava a escrever histórias infantis. Começou His Dark Materials por volta de 1993. Northern Lights (The Golden Compass nos EUA) foi publicado em 1995 e ganhou a Carnegie Medal, um dos maiores prêmios da Grã-Bretanha para ficção infantil, e o The Guardian Children’s Fiction Award.

A partir de 1996, Pullman virou escritor em tempo integral, mas continua escrevendo para o The Guardian ocasionalmente. Em 2004, recebeu o título de Commander of the Most Excellent Order of the British Empire e foi eleito Presidente da Blake Society. Em 2005 ganhou o The Astrid Lindgren Memorial Award do Conselho de Arte Sueco. Em 2008, começou a escrever The Book of Dust, uma sequência para a trilogia His Dark Materials.

Pullman tem um forte compromisso com a liberdade civil tradicional e se destaca por sua crítica ao crescimento da autoridade do Estado e da invasão do governo na vida do cidadão.

Em 24 de junho de 2099, Philip Pullman ganhou o diploma de D. Litt. (Doctor of Letters), honoris causa, pela Universidade de Oxford, na cerimônia Encænia no Sheldonian Theatre.

Perspectiva sobre religião

Pullman é adepto da British Humanist Association e Membro Honorário da National Secular Society. A jornalista nova-iorquina Laura Miller descreveu Pulmman como o ateu mais sincero da Inglaterra, embora Philip descreva a si mesmo como um “ateu agnóstico”.

Em 15 de setembro de 2010, Pullman e outras 54 figuras públicas assinaram uma carta aberta, publicada no jornal The Guardian, declarando sua oposição à visita do Papa Bento XVI à Grã-Betanha, argumentando que ele tolerou abusos globais dos direitos homanos. A carta diz: “A classe da qual o Papa é líder também se recusou a assinar vários importantes tratados sobre direitos humanos e criou seus próprios tratados (“concordatas”) com alguns estados que afetam negativamente os direitos humanos dos cidadãos dos mesmos”. Entre os assinantes da carta estão Stephen Fry, Professor Richard Dawkins, Terry Pratchett, Jonathan Miller e Ken Follett.

O crítico literário Alan Jacobs (de Wheaton College) disse que, em His Dark Materials, Pullman trocou a visão teísta de Paradise Lost (John Milton) por uma visão Rousseauist [tipo Rousseau, saca?]. Donna Freitas, professora de religião da Universidade de Boston, argumentou que desafios às tradicionais imagens de deus deveriam ser acolhidos como parte de um “animado diálodo sobre fé”, e Rowan Williams, o Arcebispo de Canterbury, propôs que His Dark Materials fizesse parte da educação religiosa nas escolas.

A trilogia His Dark Materials foi criticada pela Catholic League for Religious and Civil Rights e Focus on the Family. Peter Hitchens disse que Pullman persegue o anti-cristianismo, baseado em uma entrevista em que Philip diz “estou tentando enfraquecer as bases da fé cristã”.

Peter Hitchens vê a série His Dark Materials como uma réplica direta às Crônicas de Nárnia, de C. S. Lewis; Pullman disse que os livros de Nárnia eram propaganda religiosa. Tanto os livros de Pullman quanto os de Lewis contêm alegorias religiosas caracterizadas por animais falantes, universos paralelos, e crianças que enfrentam decisões morais adultas que determinam o destino daqueles universos.

Christopher Hitchens, autor de God Is Not Great, elogiou His Dark Materials como uma nova alternativa a C. S. Lewis, J. R. R. Tolkien e J. K. Rowling. Ele descreveu o autor como um “cujos livros começaram a dissolver a fronteira entre ficção adulta e juvenil”.

Bibliografia

Livros avulsos
1972 The Haunted Storm
1976 Galatea
1982 Count Karlstein
1987 How to be Cool
1989 Spring-Heeled Jack
1990 The Broken Bridge
1992 The White Mercedes
1993 The Wonderful Story of Aladdin and the Enchanted Lamp
1995 Clockwork, or, All Wound Up
1995 The Firework-Maker’s Daughter
1998 Mossycoat
1998 The Butterfly Tattoo (reedição de The White Mercedes)
1999 I was a Rat! or The Scarlet Slippers
2000 Puss in Boots: The Adventures of That Most Enterprising Feline
2004 The Scarecrow and his Servant
2010 The Good Man Jesus and the Scoundrel Christ

Sally Lockhart
1985 The Ruby in the Smoke
1986 The Shadow in the North (publicado primeiramente como The Shadow in the Plate)
1991 The Tiger in the Well
1994 The Tin Princess

The New-Cut Gang
1994 Thunderbolt’s Waxwork
1995 The Gasfitter’s Ball

His Dark Materials
1995 Northern Lights, The Golden Compass nos EUA
1997 The Subtle Knife
2000 The Amber Spyglass

Companion books
2003 Lyra’s Oxford
2008 Once Upon a Time in the North
[sem data] The Book of Dust (não publicado ainda)

Peças
1990 Frankenstein
1992 Sherlock Holmes and the Limehouse Horror

Não-ficção
1978 Ancient Civilisations
1978 Using the Oxford Junior Dictionary

Quadrinhos
2008 The Adventures of John Blake no The DFC

Anúncios

Comente

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s