Cartas de amor

Deixe um comentário

Álvaro de Campos (Fernando Pessoa)

Todas as cartas de amor são
Ridículas.
Não seriam cartas de amor se não fossem
Ridículas.

Também escrevi em meu tempo cartas de amor,
Como as outras,
Ridículas.

As cartas de amor, se há amor,
Têm de ser
Ridículas.

Mas, afinal,
Só as criaturas que nunca escreveram
Cartas de amor
É que são
Ridículas.

Quem me dera no tempo em que escrevia
Sem dar por isso
Cartas de amor
Ridículas.

A verdade é que hoje
As minhas memórias
Dessas cartas de amor
É que são
Ridículas.

(Todas as palavras esdrúxulas,
Como os sentimentos esdrúxulos,
São naturalmente
Ridículas.)

Anúncios

Dia 18 – Um poema

1 Comentário

As duas flores – Castro Alves

São duas flores unidas,
São duas rosas nascidas
Talvez no mesmo arrebol,
Vivendo no mesmo galho,
Da mesma gota de orvalho,
Do mesmo raio de sol.

Unidas, bem como as penas
Das duas asas pequenas
De um passarinho do céu…
Como um casal de rolinhas,
Como a tribo de andorinhas
Da tarde no frouxo véu.

Unidas, bem como os prantos,
Que em parelha descem tantos
Das profundezas do olhar…
Como o suspiro e o desgosto,
Como as covinhas do rosto,
Como as estrelas do mar.

Unidas… Ai quem pudera
Numa eterna primavera
Viver qual vive esta flor.
Juntar as rosas da vida
Na rama verde e florida,
Na verde rama do amor!

Soneto do Orfeu

1 Comentário

Vinícius de Moraes

São demais os perigos desta vida
Pra quem tem paixão principalmente
Quando uma lua chega de repente
E se deixa no céu, como esquecida

E se ao luar que atua desvairado
Vem se unir uma música qualquer
Aí então é preciso ter cuidado
Porque deve andar perto uma mulher

Deve andar perto uma mulher que é feita
De música, luar e sentimento
E que a vida não quer de tão perfeita

Uma mulher que é como a própria lua:
Tão linda que só espalha sofrimento
Tão cheia de pudor que vive nua.

——

Fiz no Facebook um teste chamado “Que poema do Vinícius de Moraes fala por você?”. O resultado taí.

Ser mineiro

2 Comentários

Fernando Sabino

Ser mineiro é não dizer o que faz,
nem o que vai fazer,
é fingir que não sabe aquilo que sabe,
é falar pouco e escutar muito,
é passar por bobo e ser inteligente,
é vender queijos e possuir bancos.

Um bom mineiro não laça boi com imbira,
não dá rasteira no vento,
não pisa no escuro,
não anda no molhado,
não estica conversa com estranhos,
só acredita na fumaça quando vê fogo,
só arrisca quando tem certeza,
não troca um pássaro na mão por dois voando.

Ser mineiro é dizer “uai”,
é ser diferente,
é ter marca registrada,
é ter história.

Ser mineiro é ter
simplicidade e pureza,
humildade e modéstia,
coragem e bravura,
fidalguia e elegância.

Ser mineiro é ver o nascer do sol e o brilhar da lua,
é ouvir o cantar dos pássaros e o mugir do gado,
é sentir o despertar do tempo e o amanhecer da vida.

Ser mineiro é ser religioso e conservador,
é cultivar as letras e artes,
é ser poeta e literato,
é gostar de política,
é amar a liberdade,
é viver nas montanhas,
é ter a vida interior,
é ser gente.

Fado de fada

6 Comentários

Pedro Rocha

É safada, essa fada…

Se ela voa, onde andaria ou se não anda onde ela pensa
Eu apenas acho
Que ela pensa e voa em mim ou se apenas anda eu acho fácil

É safada, essa fada…

Se não fosse essa fada quem é que se safaria
Só uma ponte sobre a Bahia
Que separa com esse papo que já sabia que não dava no pé
E acaba ficando por aí nesse papo barroquino
Beijinho encara aí com esse cara aí
Que te diz que sabe tudo de 100 anos de cinema
Esse cara é cabeludo mas não te leva a nada!

Eu sim
Te cato por esse lado, foco na cama e te afogo fada
Na minha coleção de fotogramas!

[Poema] Quando fico de pau duro

1 Comentário

Cazé Peccini

Quando fico de pau duro
Sinto-me deus
Não deus como Zeus no Olimpo
Deus como Jesus
Como o homem no garimpo
Ao achar a maior pepita
Como o médico que o cardíaco ressuscita
Sinto-me deus, sinto-me forte
Sinto o poder
Toda a grandeza de ser de um povo
Sinto-me ovo fecundado
Como um viado ao dar o rabo
Sinto-me alado, sinto-me sábio
Sinto-me luz cuspida de meus lábios
Sinto a explosão dos teus
Quando me coloco deus
No meio de tuas pernas

Vida/Tempo

Deixe um comentário

Viviane Mosé

Eu acho que a vida anda passando a mão em mim
Eu acho que a vida anda passando a mão em mim
Eu acho que a vida anda passando
Acho que a vida anda passando
Acho que a vida anda
A vida anda em mim
A vida anda
Acho que há vida em mim
Há vida em mim
Anda passando
Acho que a vida anda passando
A vida anda passando a mão em mim
E por falar em sexo
Quem anda me comendo é o tempo
Se bem que já faz tempo
Mas eu escondia
Porque ele me pegava à força
E por trás
Até que um dia resolvi encará-lo de frente e disse
Tempo
Se você tem que me comer que seja com meu consentimento
E me olhando nos olhos
Eu acho que eu ganhei o tempo
De lá pra cá ele tem sido bom comigo
Dizem que ando até remoçando