2011: um ano de mudanças

3 Comentários

Sim, empolguei nos posts. Na verdade queria ter escrito este post no final de dezembro, mas me faltou tempo e inspiração, coisas que estão sobrando agora (qualquer coisa para adiar uma faxina hahaha)

2011 foi um ano que começou com dúvidas: fazer mestrado ou trabalhar. Fiquei com a opção mais cômoda e comecei o mestrado. B-O-R-I-N-G. Eu já estava com preguiça de estudar desde 2010, tanto que fiquei um ano a mais na graduação por causa disso, mas continuar morando em Campinas e indo pra Unicamp todo dia já era rotina, e a preguiça de mudar venceu. E eu foi vencida pelo sono nas aulas de Probabilidade. E não conseguia assimilar a lógica na hora de demonstrar teoremas. E não tinha ânimo pra estudar. E não tinha bolsa de estudos. E veio um problema amoroso que foi a gota d’água. E, no comecinho de maio, liguei pros meus pais e falei que não queria mais fazer mestrado.

No dia 16 de maio comecei a trabalhar na Ipsos, na BU Loyalty, na Zona Leste de São Paulo. Fiquei duas semanas em hotel até aprovarem meu pai como fiador e darem as chaves do quarto-sala-cozinha que aluguei. Mudança radical.

Mesmo tendo sido uma coisa impulsiva, arrumar um emprego e vir pra São Paulo foi a melhor coisa que fiz ano passado. Primeiro porque me deu ânimo novo. Segundo porque eu conheço muita gente que mora aqui, graças ao Fórum Valinor, então eu só fico em casa à toa se quiser.

Enfim, estou muito feliz com o rumo que minha vida tomou. Que 2012 seja um ótimo ano para mim e para as pessoas com quem me importo =D

Colação de Grau – Juramento

Deixe um comentário

Ao iniciar esta nova etapa de minha vida, prometo buscar na experiência de cada dia os ideais da verdade e da justiça;
Prometo manter, acima das aspirações pessoais, o sentido da paz social e da harmonia coletiva;
Prometo que, na luta que se inicia, respeitarei o espaço de cada indivíduo;
Prometo que lutarei por minha justa realização profissional, porém, preservando, acima de tudo, a minha dignidade e a dignidade de cada ser humano.

25-03-2011

E agora?

1 Comentário

Terminei a graduação em Estatística e fiz inscrição para tentar entrar no mestrado, como planejado. Na Unicamp, o Departamento de Estatística escolhe, entre as inscrições, alunos que deverão fazer o Curso de Verão e, de acordo com seu desempenho, serão aceitos ou não.
Para quem quer fazer mestrado em Estatística, o Curso de Verão consiste em duas matérias: Métodos Estatísticos e Introdução à Análise no Rn. A primeira matéria foi super tranquila. Já a segunda, um horror, principalmente por ser uma matéria bem específica da Matemática.
Eu já comecei o curso cansada, e com o passar dos dias a certeza de que eu não iria conseguir notas boas só ia aumentando. Mas eu fui até o fim e o coordenador da pós resolveu me dar uma chance: fui aceita no mestrado, com chances mínimas de ganhar bolsa.

No começo de fevereiro, quando já não esperava mais ser aceita no mestrado, mandei meu currículo para algumas empresas. Recebi resposta de uma, em São Paulo, e fui chamada para fazer um teste prático. Na semana seguinte, a mesma empresa me chamou para fazer mais testes e ser entrevistada pelo RH. Agora estou esperando entrarem em contato, com alguma proposta.

As questões que têm martelado na minha cabeça nos últimos dias são, portanto, a) devo aproveitar e fazer o mestrado agora, antes de começar a trabalhar?, b) se a proposta da empresa for boa, devo ir trabalhar e deixar o mestrado pra depois?, e c) o que (ou quanto) seria uma proposta boa o suficiente para valer a pena me mudar para São Paulo?

5 anos de faculdade, 2 notas dez

1 Comentário

Vou me formar. Finalmente.

O curso de Estatística da Unicamp dura, no mínimo, 4 anos, mas no máximo 10% dos alunos de cada turma consegue se formar neste período. Digo 10% porque esta foi a fração da minha turma (2006) que se formou em 4 anos: 6 alunos (são 70 vagas, mas elas nunca são preenchidas totalmente, então eu aproximei =P).

Era pra eu ter sido a sétima aluna da turma a se formar ano passado, mas as coisas começaram a dar errado em Computação Aplicada à Estatística. Foi a primeira matéria em que fui reprovada. No semestre seguinte, desisti de Séries Temporais. Eu ainda conseguiria me formar em dezembro de 2009 se não reprovasse em mais nenhuma matéria, principalmente nessas duas aí, mas depois de passar em Computação, reprovei em Métodos em Análise Multivariada, e não consegui passar em Séries. Matérias anuais. Tive que ficar mais um ano na Unicamp.

Este ano eu quase perdi as esperanças de novo: fiquei de exame nas duas matérias. “Ficar de exame” significa que você não consegui nota suficiente só com as provas “normais”, algumas pessoas chamam de “recuperação”. Enfim, a primeira prova foi a de Séries, segunda-feira dia 13, e eu precisava tirar 5,3. Não fui fazer o concurso do INMETRO, dia 12, e passei o final de semana estudando. Tirei 8! Passada a euforia, mergulhei no livro de Multi, pois precisava de 5,5. A prova foi na quarta-feira, fiz inteira e revisei minhas contas antes de entregar. Tirei 10!

Meu segundo 10 em 5 anos de faculdade. O primeiro foi no segundo semestre, em Álgebra Linear, na terceira e última prova. Eu estava meio p*ta com o professor pois ele tinha tirado pontos meus só porque minhas resoluções não eram exatamente iguais às dele, mesmo estando certas. Então na última prova eu exagerei :) (Mas foi bom eu ter topado com um professor assim logo no primeiro ano, outros professores também têm problemas com resoluções diferentes). Daí que AlgeLin é aquela matéria onde aprendemos a calcular autovalores e autovetores e achamos que nunca mais vamos usar aquilo na vida, certo? Errado, pelo menos pros estatísticos. Porque Multi é a matéria onde você precisa saber calcular autovalores e autovetores para começar a sua análise.

Você deve estar pensando: se Multi depende de AlgeLin e ela mandou bem nesta, por que bombou Multi uma vez? Porque cada professor dá a matéria de um jeito diferente. Na primeira vez que fiz a matéria, o professor cobrou mais a interpretação dos resultados das análises do que a aplicação em si. O segundo já cobrou mais exercícios “braçais”, em uma prova, e análises e interpretações em um trabalho. Eu não passei direto porque resolvi estudar só pelo caderno. Pro trabalho e pro exame eu peguei o livro, e aí tudo ficou claro. E consegui um 10 na última prova da graduação =D