Diário da Viagem: parte 4

Deixe um comentário

De Londres para Edimburgo, 08 de junho

Arrumei o malão, peguei meu corvo (o Jubileu), fui para King’s Cross e entrei na Plataforma 9 3/4 para pegar o Expresso de Hogwarts!

YAY

YAY

Não, péra. Antes eu tenho que contar da descoberta que o Helder fez de manhã.

Ele saiu depois do café pra comprar água e lanchinhos pra levarmos pro trem, mas em vez de ir no mercado que ficava embaixo do hotel, foi no que ficava no outro quarteirão e do outro lado da rua. Na volta, antes de atravessar pro lado do hotel, reparou na estátua de um cachorro, que é uma referência a Charles Dickens!

"My usual way home was over Blackfriars Bridge, and down that turning in the Blackfriars Road which has Howland Hill's chapel on one side, and the likeness of a golden dog licking a golden pot over a shop door on the other." Charles Dickens

“My usual way home was over Blackfriars Bridge, and down that turning in the Blackfriars Road which has Howland Hill’s chapel on one side, and the likeness of a golden dog licking a golden pot over a shop door on the other.” Charles Dickens

Olha no mapa como era perto, passávamos ali na frente pra ir e voltar do metro e só reparamos no cachorro no último dia! Pesquisando um pouco, descobri que a estátua foi inaugurada este ano, em comemoração ao bicentenário de Dickens.

Dito isso, vamos para Hogw- Edimburgo \o/
A viagem foi tranquila e pudemos ver um bom pedaço da costa leste da ilha, chegamos em Edimburgo no meio da tarde. Fomos vestidos pra enfrentar o possível frio de Edimburgo, mas lá tava mais quente que Londres, então fizemos checkin e colocamos roupas mais leves pra explorar as redondezas do hotel e comer. (óbvio que quando deu 18h começou a venta e esfriar e eu quase morri de frio, mas foi bom aproveitar o calor momentâneo =P)

"NO TRESPASSING Violators wil be shot Survivors will be shot again." - Black Rose Pub

Black Rose Pub, Edinburgh

Edimburgo, 09 de junho

Dormimos até tarde. Era domingo e não fomos visitar o castelo por motivos de “odiamos multidões”, mas fomos explorar a Cidade Velha, andando por tooooda a Royal Mile e almoçando no meio do caminho.

No final da Royal Mile, viramos à direita e fomos pro Holyrood Park, onde fica o Arthur’s Seat. Demoramos 1 hora pra subir os 250 metros, valeu muito a pena =D
Helder gravou um video girando 360° lá em cima, só dá pra escutar o vento.

No meio da descida paramos para um pique-nique, depois fomos pro hotel descansar: tirei um cochilo enquanto Helder via Fórmula 1. Como lá só escurecia às 22h, perdemos a noção do tempo e quase ficamos sem janta, mas ainda eram 21h quando saímos e as cozinhas dos pubs só fechavam 21:30 =P

Edimburgo, 10 de junho

Chegamos no Castelo de Edimburgo muito tarde pro primeiro tour guiado muito cedo pro segundo, e o Helder não quis pagar o audio guide, então só pegamos um mapa e fomos explorar sozinhos. Teve One O’Clock Gun, que neste dia, excepcionalmente, foi ao meio dia. (O primeiro tiro é perto dos 3 minutos)

Enquanto víamos as jóias da coroa escocesa, um pouco na nossa frente, na fila, tinha um sujeito que era a cara do Alfie Allen‎. Só não tirei foto porque era proibido ali na exposição das jóias e depois o “Theon” sumiu, hunf!

Theon?

Theon?

Depois do almoço, fomos para o Scotch Whisky Experience Tour, onde Helder ficou esperando alguém pedir meus documentos para conferir a idade, mas acho que finalmente tenho cara de 18+. Depois de descobrir como um single malt é feito, fomos para a degustação em uma sala onde se encontra a maior coleção de whisky do mundo, feita pelo brasileiro Claive Vidiz, com cerca de 3500 garrafas. Helder resolveu experimentar uma dose de quatro single malts diferentes (um de cada região da Escócia), além da dose que estava incluída no tour, e saiu todo feliz de lá LOL

Helder bebendo

Helder bebendo…

Helder feliz!

Helder feliz!

Depois que dei chocolate pro Helder voltar ao normal, fizemos comprinhas e voltamos pro hotel, já que o dia seguinte ia começar bem cedo.

Minha coleção Harry Potter

2 Comentários

Livros

Editora Rocco:
Harry Potter e a Pedra Filosofal
Harry Potter e a Câmara Secreta
Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban
Harry Potter e o Cálice de Fogo
Harry Potter e a Ordem da Fênix
Animais fantásticos e onde habitam
Quadribol através dos séculos

Bloomsbury:
Harry Potter and the Half-Blood Prince (hardcover)
The Tales of Beedle the Bard (hardcover)

Scholastic:
Harry Potter and the Sorcerer’s Stone (paperback e edição de aniversário hardcover)
Harry Potter and the Chamber of Secrets (paperback)
Harry Potter and the Prisoner of Azkaban (paperback)
Harry Potter and the Goblet of Fire (paperback)
Harry Potter and the Order of the Phoenix (paperback)
Harry Potter and the Half-Blood Prince (paperback)
Harry Potter and the Deathly Hallows (paperback)
Harry Potter and the Deathly Hallows (paperback e hardcover)

Acessórios
Cachecol Grifinória
Cachecol Lufa-Lufa
Chaveiro Lufa-Lufa

Fotos

  

Hogwarts House Psychoanalysis

Deixe um comentário

Gryffindor
True Gryffindors have a very strong sense of what is right and what is wrong, and this is a part of what gives them such strong opinions. Depending on the person, this may be taken to a Borderline degree, and they may see people as either good or evil, not in between and no chance of redemption for those on the darker sides of things. Alternately, Gryffindors may see all people as being initially good, and only making the wrong choices take the down the wrong road. Both of these behaviours are why Gryffindors and Slytherins can easily clash. Gryffindors are usually incredibly intelligent, but they tend to be slackers, more focused on getting a taste of something new than sticking to responsibility. This can be their downfall from success, or quite the opposite, bringing them a rise up into something they love. Once they find their true place in the world, Gryffindors will often use their accomplishments to the benefit of others in some form or fashion. Actors, singers and athletes can often be classified as Gryffindors. Despite their good intentions, they can also quite often be ill-tempered and overly emotional, which is their Achilles’ Heel in most instances. A darker Gryffindor may become out of control because of this, hurting those they love or holding a grudge for many years.

Hufflepuff
Essentially, Hufflepuffs see the world and their people as ultimately good, and only the darkness of the inevitable turning them away from what they think is right. Because of this, they tend to treat everyone fairly and with sympathy, trying to put themselves in the other person’s shoes before judging them, if they judge them at all. Hufflepuffs are almost always maternal or paternal types, ready to take care of anyone who may come to them. They are dedicated to what they do, and are very focused on making sure everything is done properly, leaving no room for error. Mostly, Hufflepuffs think what they do is right, and Ravenclaws who doubt them may annoy them, but Hufflepuffs hate conflict, so they tend to ignore their irritation. Hufflepuffs are very passive aggressive, doing little things subconsciously when someone makes them angry. This is usually the farthest they will go so far as revenge, as they rarely want to participate in any form of violence. Hufflepuffs are healers in nature, wishing to care to the needs of others. Many nurses, cooks, teachers or counselors are Hufflepuffs.

Ravenclaw
Intelligent and insightful, Ravenclaws are not ones to classify people under any certain category. Instead they often ponder on humanity, what is good, what is evil and why we should classify people as one or the other. Ravenclaws are very philosophical, and often you may see them simply staring off into space, but this is not in some brainless manner, in fact they are exploring the gears of their mind and trying to figure out how the world works. Ravenclaws are focused on their work, but they often don’t need effort. They tend to pick up on every detail and remember it without even trying, something that others may be skeptical of or be jealous of. This can give some a sense of superiority and the idea they should tell everyone the right way to do something, which can easily make others, especially nervous Hufflepuffs or emotional Gryffindors, very irritated. Ravenclaws are very analytic, and this can be very good or very bad. For the kind-hearted this will be a way to help others, for the dark they can use this to twist and manipulate. Ravenclaws are not every emotional, instead they tend to put up a wall and not let anyone in except for perhaps their closest friends or family. Instead they pick at the minds of others, trying to figure out how they work and to see if they themselves are different, or just the same as everyone else. Psychologists, professors and investigators are often Ravenclaws.

Slytherin
Slytherins have a more cynical view on the world, and believe that there is darkness in the hearts of all, some are just unwilling to accept it. They think anyone who doesn’t realize this is naive or perhaps even stupid, and because of this they can easily clash with Gryffindors or laugh at Hufflepuffs. This said, Slytherins are absolutely in no way evil, some are actually very good. They simply have a drive that carries their life, and if you get in their way you better watch out. Slytherins have an almost bloodthirsty craving for success, and if they don’t think they can achieve this then they can easily fall into a darker place of self-loathing and take this out on others. Love and accomplishment are the two things that mean the most to them, and they do not understand that the need for the latter can drive away the former, and when the feeling of pride fades or they fail at something, their possible lack of something dear and close to them can hit, and when it hits it hits hard. Slytherins are very emotional, however unlike Gryffindors they very rarely show it. Instead they bottle it up, using it in other ways, some of which may be artistic. Slytherins can very easily connect to art or music. Slytherins usually pick one subject they feel for and stick with it, rather than focusing on them all. This can be an issue academically, and some Slytherins may even drop out of school, but despite this their ambition will drive them to doing something they love, or they will have a downward spiral into depression. Lawyers, doctors and artists are often Slytherins.

source

Pottermore

Deixe um comentário

Pottermore is an exciting new website from J.K. Rowling that can be enjoyed alongside the Harry Potter books. You can explore the stories like never before and discover exclusive new writing from the author. It is FREE to join and use, and is designed to be safe for people of all ages.

Eu fui uma entre o um milhão de fãs que conseguiu acesso ao beta do Pottermore, e vim aqui compartilhar informações sobre a minha varinha e sobre a casa em que o Chapéu Seletor me colocou =)

~

Chestnut with unicorn core, ten and three quarter inches, hard

Chestnut

This is a most curious, multi-faceted wood, which varies greatly in its character depending on the wand core, and takes a great deal of colour from the personality that possesses it. The wand of chestnut is attracted to witches and wizards who are skilled tamers of magical beasts, those who possess great gifts in Herbology, and those who are natural fliers. However, when paired with dragon heartstring, it may find its best match among those who are overfond of luxury and material things, and less scrupulous than they should be about how they are obtained. Conversely, three successive heads of the Wizengamot have possessed chestnut and unicorn wands, for this combination shows a predilection for those concerned with all manner of justice.

Unicorn

Unicorn hair generally produces the most consistent magic, and is least subject to fluctuations and blockages. Wands with unicorn cores are generally the most difficult to turn to the Dark Arts. They are the most faithful of all wands, and usually remain strongly attached to their first owner, irrespective of whether he or she was an accomplished witch or wizard.
Minor disadvantages of unicorn hair are that they do not make the most powerful wands (although the wand wood may compensate) and that they are prone to melancholy if seriously mishandled, meaning that the hair may ‘die’ and need replacing.

Wand flexibility or rigidity denotes the degree of adaptability and willingness to change possessed by the wand-and-owner pair – although, again, this factor ought not to be considered separately from the wand wood, core and length, nor of the owner’s life experience and style of magic, all of which will combine to make the wand in question unique.

~

Lufa-lufa

Congratulations! I’m Prefect Gabriel Truman, and I’m delighted to welcome you to HUFFLEPUFF HOUSE. Our emblem is the badger, an animal that is often underestimated, because it lives quietly until attacked, but which, when provoked, can fight off animals much larger than itself, including wolves. Our house colours are yellow and black, and our common room lies one floor below the ground, on the same corridor as the kitchens.

Now, there are a few things you should know about Hufflepuff house. First of all, let’s deal with a perennial myth about the place, which is that we’re the least clever house. WRONG. Hufflepuff is certainly the least boastful house, but we’ve produced just as many brilliant witches and wizards as any other. Want proof? Look up Grogan Stump, one of the most popular Ministers for Magic of all time. He was a Hufflepuff – as were the successful Ministers Artemesia Lufkin and Dugald McPhail. Then there’s the world authority on magical creatures, Newt Scamander; Bridget Wenlock, the famous thirteenth-century Arithmancer who first discovered the magical properties of the number seven, and Hengist of Woodcroft, who founded the all-wizarding village of Hogsmeade, which lies very near Hogwarts School. Hufflepuffs all.

So, as you can see, we’ve produced more than our fair share of powerful, brilliant and daring witches and wizards, but, just because we don’t shout about it, we don’t get the credit we deserve. Ravenclaws, in particular, assume that any outstanding achiever must have come from their house. I got into big trouble during my third year for duelling a Ravenclaw prefect who insisted that Bridget Wenlock had come from his house, not mine. I should have got a week of detentions, but Professor Sprout let me off with a warning and a box of coconut ice.

Hufflepuffs are trustworthy and loyal. We don’t shoot our mouths off, but cross us at your peril; like our emblem, the badger, we will protect ourselves, our friends and our families against all-comers. Nobody intimidates us.

However, it’s true that Hufflepuff is a bit lacking in one area. We’ve produced the fewest Dark wizards of any house in this school. Of course, you’d expect Slytherin to churn out evil-doers, seeing as they’ve never heard of fair play and prefer cheating over hard work any day, but even Gryffindor (the house we get on best with) has produced a few dodgy characters.

What else do you need to know? Oh yes, the entrance to the common room is concealed in a stack of large barrels in a nook on the right hand side of the kitchen corridor. Tap the barrel two from the bottom, middle of the second row, in the rhythm of ‘Helga Hufflepuff’, and the lid will swing open. We are the only house at Hogwarts that also has a repelling device for would-be intruders. If the wrong lid is tapped, or if the rhythm of the tapping is wrong, the illegal entrant is doused in vinegar.

You will hear other houses boast of their security arrangements, but it so happens that in more than a thousand years, the Hufflepuff common room and dormitories have never been seen by outsiders. Like badgers, we know exactly how to lie low – and how to defend ourselves.

Once you’ve opened the barrel, crawl inside and along the passageway behind it, and you will emerge into the cosiest common room of them all. It is round and earthy and low-ceilinged; it always feels sunny, and its circular windows have a view of rippling grass and dandelions.

There is a lot of burnished copper about the place, and many plants, which either hang from the ceiling or sit on the windowsills. Our Head of house, Professor Pomona Sprout, is Head of Herbology, and she brings the most interesting specimens (some of which dance and talk) to decorate our room – one reason why Hufflepuffs are often very good at Herbology. Our overstuffed sofas and chairs are upholstered in yellow and black, and our dormitories are reached through round doors in the walls of the common room. Copper lamps cast a warm light over our four-posters, all of which are covered in patchwork quilts, and copper bed warmers hang on the walls, should you have cold feet.

Our house ghost is the friendliest of them all: the Fat Friar. You’ll recognise him easily enough; he’s plump and wears monk’s robes, and he’s very helpful if you get lost or are in any kind of trouble.

I think that’s nearly everything. I must say, I hope some of you are good Quidditch players. Hufflepuff hasn’t done as well as I’d like in the Quidditch tournament lately.

You should sleep comfortably. We’re protected from storms and wind down in our dormitories; we never have the disturbed nights those in the towers sometimes experience.

And once again: congratulations on becoming a member of the friendliest, most decent and most tenacious house of them all.

Minhas 4 personalidades

1 Comentário

Arithmancy is a magical discipline that studies the magical properties of numbers, including (but not limited to) predicting the future with numbers and numerology. Those who practiced Arithmancy were called Arithmancers.

Baseada na matéria ensinada em Hogwarts, a super-fã de Harry Potter Hermione, Aranel, resolveu brincar de adivinhar as personalidades das pessoas. Eu pedi 4 versões diferentes do meu nome, e o resultado foram 4 personalidades que, unidas, resultam em euzinha xD

Primeiro, meu nome completo:

Bom, a Isabel Luzia Nori dos Santos gosta de se enturmar, gosta de sentir sua vida equilibrada – especialmente nas relações pessoais – e gosta de paz e sossego, inclusive financeiro. Às vezes pode bater uma nostalgia, uma melancolia… pode querer ficar mais quieta no seu canto. Pode ser um pouco indecisa em decisões maiores também. No trabalho e na vida social é determinada, gosta de ajudar e sempre tende a passar uma impressão de completude.

Segundo, o nome que uso no meu principal e-mail, e em alguns sites:

Já a Isabel Luzia também tem essa característica de querer ser e demonstrar que é completa em tudo, nas relações sociais, no trabalho e etc… Mas tem um que de mais individualista. É persistente – talvez um puco teimosa -, um pouco impaciente e um talento para a liderança. Mais firme do que meiga e gosta mais de ficar a sós. É prática e ambiciosa, tem postura bastante profissional no trabalho mas tem que tomar cuidado com “8 ou 80” às vezes… precisa de mais flexibilidade.

Terceiro, o nome que escolheram pra mim no trabalho:

Enquanto isso, a Isabel Nori é mais insegura, tem mais dúvidas a respeito da vida. Gosta de fazer várias coisas ao mesmo tempo, mas aquelas que exigem maior tempo e comprometimento nem sempre são finalizadas. Apesar disso é atrevida, enérgica, animada, desinibida, bem-humorada e tem dom artístico. Costuma demonstrar essas últimas características entre amigos e familiares e usa bem suas habilidades e qualidades na trabalho.

Quarto, o apelido que tenho desde que me entendo por gente:

E, por fim, a Bel é muito determinada e tem a tendência para a liderança, mas algo a segura um pouco. Novamente surge uma leve insegurança e incerteza. Talvez medo de se expor demais ou de exagerar na dose. Acaba sendo mais discreta e introvertida, mas gsota muito de conhecer gente nova, de fazer amigos, de se aventurar. Tem dificuldade com compromissos, mas quando se compromete firme e leal.

A Aranel perguntou quem é a verdadeira Isabel, e eu respondo aqui: Isabel é tudo isso junto, em todos os momentos. Insegura e determinada. Melancólica e animada. Tímida e atrevida. 8 e 80.

Harry Potter

6 Comentários

Hoje Harry completa 30 anos e, depois de ler a história da Feanari, da Ceinwyn e da Izze, eu resolvi contar minha história aqui também.

Eu ganhei o primeiro livro em agosto de 2000. Naquele ano, saiu uma reportagem sobre HP na Veja e minha então professora de português colocou um trecho dessa reportagem numa prova. Teve uma questão que poucas pessoas acertaram e eu, que nunca fui boa em interpretação de texto, fui uma delas e fiquei tão empolgada que procurei a reportagem nas Vejas antigas daqui de casa pra ler a reportagem inteira. Pouco tempo depois, meu pai foi a São Paulo e voltou com o livro, que foi devorado por mim.

Logo depois de ter me apaixonado pela história de Harry, saiu uma reportagem no caderno Estadinho, do jornal Estadão, falando do segundo livro e eu fui correndo pedir pros meus pais comprarem. Este eu li em 2 dias, durante uma viagem de família para Caldas Novas (GO).

O terceiro só foi lançado em português em dezembro de 2000, então eu tive que esperar. Mas, quando chegou, eu também li em 2 dias. No primeiro, meus pais foram em um jantar aleatório e eu fiquei lendo até eles voltarem pra casa (1am). No segundo, quando meu pai pediu pra eu parar de ler um pouco, lá pras 8 da noite, só faltavam 8 páginas pra acabar.

O quarto livro só saiu no Brasil em junho de 2001. Enquanto ele não chegava, eu relia os outros 3. Quando ele chegou, eu estava em semana de provas, e minha mãe ficava me vigiando pra eu não esquecer disso e grudar no livro. Mas, passada esta semana, eu me dediquei totalmente ao livro, e fiquei realmente tensa durante a Primeira Tarefa.

Agora um parênteses sobre como era a minha vida na época: quando eu fiz a prova que me fez descobrir HP, eu morava em Caconde (SP) e estudava em Guaxupé (MG), no Colégio D. Inácio. Quando eu ganhei o primeiro livro, eu estava morando e estudando em Limeira (SP), porque meu pai (gerente do Banespa) tinha sido transferido pra lá. Em 2001, o Santander comprou o Banespa e fez um Programa de Demissão Voluntário (PDV), meu pai aderiu e foi um dos primeiros a sair. Então, em julho daquele ano, a família toda se mudou pra Guaxupé, pois meu pai usou uma parte do dinheiro que recebeu pra entrar como sócio no supermercado da minha tia (ela já tinha este supermercado em Guaxupé há alguns anos, só que com outro sócio), eu e meu irmão voltamos pro D. Inácio, e minha mãe ficaria viajando pra Caconde todo dia (ela é agente administravivo numa escola do estado, aka funcionária pública; no ano que passamos em Limeira, ela tirou licensa repetidamente).

Portanto, não é de se espantar que eu não tivesse amigos, depois de tantas mudanças, mas o pessoal do D. Inácio ainda lembrava de mim, e lá eu descobri pessoas interessadas em ler os livros, e não hesitei em emprestá-los. Um bom tempo se passou até o quinto livro ser lançado por aqui, o que aconteceu em dezembro de 2003, e aí eu vou ter que fazer mais um parênteses, pra falar de Tolkien. Porque, enquanto, o livro 5 não vinha, nós fãs tínhamos notícias do primeiro filme pra nos distrair, e meu pai, sabendo do meu interesse, sempre me avisava quando saia algo no jornal. Foi assim que ele chamou minha atenção para uma reportagem gigantesca que saiu sobre O Senhor dos Anéis, o filme A Sociedade do Anel ia ser lançado mais ou menos na mesma época que Harry Potter e a Pedra Filosofal, ambos os filmes baseados em livros de grande sucesso. Eu já tinha visto O Senhor dos Anéis sendo sugerido como uma leitura sugerida para fãs de Harry Potter. Estávamos no final de 2001, A Ordem da Fênix não tinha data pra ser lançada. Por que não pedir a trilogia de Tolkien de Natal? Foi o que eu fiz, ganhei a Edição Comemorativa do SdA e O Hobbit, e consegui ler a Sociedade do Anel antes de ver o filme, que só chegou em janeiro de 2002 em Guaxupé. Do primeiro filme de Harry Potter, que fui ver com meu pai, só posso dizer que fiquei decepcionada, e que sabia todos os diálogos de cor.

Depois de 2 anos de espera, o quinto livro veio, em dezembro de 2003, e me encontrou com um corte no pé que levou 3 pontos e 2 semanas até que eu voltasse a andar normalmente. Nessas 2 semanas, eu li o livro 2 vezes. Quando as aulas voltaram, em fevereiro do ano seguinte, minhas amigas fizeram fila para ler o livro.

O sexto livro foi o primeiro que eu comprei em inglês. A tradução brasileira só ia sair no final de 2005, ano de vestibular. Meu inglês já tinha melhorado bastante com o curso do CCAA, e eu sabia que Harry Potter não era uma leitura difícil, e deixar pro final do ano iria me distrair das provas que decidiriam meu futuro. Ainda assim eu estava em dúvida. Até que meu irmão viu que o livro estava em promoção nas Americanas, aí eu não resisti, comprei meu primeiro livro em inglês. Quando ele chegou, eu já sabia dos boatos da morte de mais um personagem importante, e tive a sorte de abrir o livro bem na página do “Avada Kedavra”. Até ler o livro todo e chegar naquela parte, eu já tinha digerido bem o spoiler.

O sétimo e último livro me encontrou na Unicamp, no segundo ano do curso de Estatística. Mesmo tendo feito boas amizades no D. Inácio, eu me sentia deslocada lá e achei que, quando fosse pra faculdade, isso iria mudar. Não mudou, na Unicamp eu me sentia mais deslocada do que em Guaxupé. O que me salvou foi Tolkien e o maior fórum que eu conheço sobre ele, o Fórum Valinor. Mas eu nunca teria descoberto Tolkien sem Harry Potter. Foi na Valinor que eu descobri o meu lugar no mundo: entre os nerds/geeks. E, pra honrar meu lado nerd (e não ficar tentada demais a ler spoilers), também comprei o livro sete em inglês.

Os sete livros contam a história de sete anos na vida de Harry, Ron e Hermione. Do início até o fim, eles ocuparam sete anos da minha vida. Sete anos que fizeram uma pré-adolescente tímida e deslocada virar uma jovem nerd que conheceu a maior parte de seus bons amigos (e até arrumou namorado) pela internet.

Obrigada, Harry. Obrigada, Ron. Obrigada, Hermione. Malfeito feito!

It’s over

3 Comentários

And Harry’s not dead… =|

—-

Sete livros depois e eu ainda não sei falar ‘Hermione’ LOL
Talvez eu deva fazer um esforcinho e ver um dos filmes pra ver se eu aprendo a falar o nome dela =P

—-

Po, o frio (de verdade) mal chegou e já tá indo embora, nem deu tempo de eu ficar doente…
=P~

—-

É impressão minha, ou as horas estão passando cada vez mais devagar? O.o