Gillian Flynn

Deixe um comentário

Na parte de Literatura do Fórum Valinor, existe um projeto chamado Autor da Semana, onde os usuários indicam um autor de sua preferência e uma enquete decide qual será o da semana. O usuário que indicou o autor é responsável por abrir um tópico sobre o mesmo. Eventualmente, o autor que eu indico é escolhido.

Tradução e adaptação feita por eu mesma dos textos do site oficial. Em parênteses são comentários originais do texto, em colchetes são comentários meus.

Sobre Gillian

Gillian Flynn nasceu em 24 de fevereiro de 1971 em Kansas City [Missouri, não Kansas], filha de dois professores: a mãe ensinava leitura/interpretação e o pai, cinema. Portanto, Gillian cresceu rodeada de livros e filmes, a ponto de ter livros arrancados de suas mãos na hora do jantar e ver filmes como Alien e Pshyco quando ainda tinha 7 anos de idade. Ela teve uma boa infância.

No colegial, teve trabalhos estranhos, como embalar e desembalar presuntos ou se fantasiar de “yoghurt cone” [casquinha de iogurte?], com terno. Por quê terno? Uma questão que a assombrou por anos.

Fez faculdade na Universidade do Kansas, de onde saiu com diplomas de Inglês e Jornalismo.

Depois de passar 2 anos escrevendo sobre recursos humanos para uma revista de negócios da Califórnia, Flynn mudou-se para Chicago. Lá fez mestrado em jornalismo na Northwestern University e descobriu que era muito covarde para ser uma repórter criminal.

Por outro lado, ela era uma movie geek com diploma de jornalista, então se mudou para Nova York e foi trabalhar na revista Entertainment Weekly, onde passou 10 felizes anos visitando sets ao redor do mundo (incluindo Nova Zelândia e O Senhor do Anéis). Nos últimos 4 anos de EW, Flynn foi crítica de TV (melhor programa de todos os tempos: The Wire).

Seu primeiro romance, lançado em 2006, foi Sharp Objects, um livro de mistério. Foi finalista do Edgar Award e ganhou dois Britain’s Dagger Awards (o primeiro livro a ganhar dois Daggers no mesmo ano). Os direitos de filmagem foram vendidos.

O segundo romance, Dark Places, New York Times bestseller de 2009, também ganhou vários prêmios e terá o filme lançado em breve, com Charlize Theron no papel da protagonista.

O terceiro romance, Gone Girl, foi lançado em 2012 e o filme, com roteiro da própria Gillian e direção de David Fincher, estreou em outubro de 2014.

O trabalho de Flynn já foi publicado em 28 países. Atualmente, ela vive em Chicago com o marido, Brett Nolan, dois filhos e um gato preto gigante chamado Roy. Teoricamente, ela está trabalhando no próximo livro…

Sharp Objects

MALVADA acima do quadril, GAROTA sobre o coração
Palavras são como um mapa para o passado da jornalista Camille Preaker. Recém saída de um hospita psiquiátrico, sua primeira tarefa como repórter de um jornal de segunda linha a leva de volta a sua cidade natal para cobrir os assassinatos de duas pré-adolescentes.

INDECENTE no joelho, BABYDOLL na perna [não tem tradução pro termo]
Desde que saiu da cidade há 8 anos, Camille quase não falou com sua mãe neurótica e hipocondríaca ou com a meia-irmã qua mal conhece: uma linda e misteriosa garota de 13 anos. Agora, mais uma vez instalada na mansão da família, Camille é assombrada pela tragédia que marcou sua infância e que ela passou a vida inteira tentando esquecer.

PERIGOSA no pulso, PUTA no tornozelo
À medida que Camille tentar descobrir a verdade sobre os crimes hediondos, ela começa a se identificar com as vítimas, talvez até demais. As pistas não levam a lugar nenhum, forçando Camille a desvendar o labirinto psicológico que é o seu passado para entender a história atual. Persistente, Camille tem que enfrentar o que aconteceu anos atrás se quiser sobreviver a esta volta para casa.

Por quê Gillian Flynn escreveu Sharp Objects?
Achei um texto bem legal onde a própria autora explica de onde veio a vontade de escrever o livro. Link

I Was Not a Nice Little Girl…
by Gillian Flynn

I was not a nice little girl. My favorite summertime hobby was stunning ants and feeding them to spiders. My preferred indoor diversion was a game called Mean Aunt Rosie, in which I pretended to be a witchy caregiver and my cousins tried to escape me. Our most basic prop was one of those pink, plastic toy phones most little girls owned in the ’80s. (Pretty girls love to talk on the phone!) Alas, it was always snatched from their fingers before they could call for help. (Mwahaha) In down time, I also enjoyed watching soft-core porn on scrambled cable channels. (Boob, bottom, static, static, boob!) And if one of my dolls started getting an attitude, I’d cut off her hair.

My point is not that I was an odd kid (although looking at this on paper now, I worry). Or that I was a bad kid (here’s where I tell you — for the sake of my loving parents — that I had enjoyed happy wonder years back in good old Kansas City). But these childhood rites of passage — the rough-housing, the precocious sexuality, the first bloom of power plays — really don’t make it into the oral history of most women. Men speak fondly of those strange bursts of childhood aggression, their disastrous immature sexuality. They have a vocabulary for sex and violence that women just don’t. Even as adults. I don’t recall any women talking with real pleasure about masturbating or orgasms until Sex and the City offered its clever, cutie-pie spin, presenting the phrases to us in a pre-approved package with a polka-dot bow. And we still don’t discuss our own violence. We devour the news about Susan Smith or Andrea Yates — women who drowned their children — but we demand these stories be rendered palatable. We want somber asides on postpartum depression or a story about the Man Who Made Her Do It. But there’s an ignored resonance. I think women like to read about murderous mothers and lost little girls because it’s our only mainstream outlet to even begin discussing female violence on a personal level. Female violence is a specific brand of ferocity. It’s invasive. A girlfight is all teeth and hair, spit and nails — a much more fearsome thing to watch than two dudes clobbering each other. And the mental violence is positively gory. Women entwine. Some of the most disturbing, sick relationships I’ve witnessed are between long-time friends, and especially mothers and daughters. Innuendo, backspin, false encouragement, punishing withdrawal, sexual jealousy, garden-variety jealousy — watching women go to work on each other is a horrific bit of pageantry that can stretch on for years.

Libraries are filled with stories on generations of brutal men, trapped in a cycle of aggression. I wanted to write about the violence of women.

So I did. I wrote a dark, dark book. A book with a narrator who drinks too much, screws too much, and has a long history of slicing words into herself. With a mother who’s the definition of toxic, and a thirteen-year-old half-sister with a finely honed bartering system for drugs, sex, control. In a small, disturbed town, in which two little girls are murdered. It’s not a particularly flattering portrait of women, which is fine by me. Isn’t it time to acknowledge the ugly side? I’ve grown quite weary of the spunky heroines, brave rape victims, soul-searching fashionistas that stock so many books. I particularly mourn the lack of female villains — good, potent female villains. Not ill-tempered women who scheme about landing good men and better shoes (as if we had nothing more interesting to war over), not chilly WASP mothers (emotionally distant isn’t necessarily evil), not soapy vixens (merely bitchy doesn’t qualify either). I’m talking violent, wicked women. Scary women. Don’t tell me you don’t know some. The point is, women have spent so many years girl-powering ourselves — to the point of almost parodic encouragement — we’ve left no room to acknowledge our dark side. Dark sides are important. They should be nurtured like nasty black orchids. So Sharp Objects is my creepy little bouquet.

There are no good women in Sharp Objects. Camille, my narrator of whom I’m obsessively fond — she’s witty, self-aware, and buoyant — is the closest to good. And she uses booze, sex, and scissors to get through the day. As I wrote about Camille, I was pondering how a girl who’s been raised to please — in an unpleasable, poisonous home — would grow up. How she’d react to a mother who was at once both physically insidious — a constantly poking, prodding woman — and utterly unnurturing. What kind of violence that might foster in this girl. A looping one, I realized. Camille has a craving to carve herself up. The cutter is both victimizer and victim — the bully and the sufferer. But the act includes healing: One has to cleanse and bandage the wounds afterward. Hurt, suffer, heal, hurt, suffer, heal. It’s a trinity of violence, all bound up in one person. It’s the loneliest act in the world. Camille is an inherently lonely human being.

Camille’s mother was inspired by my love of Brothers Grimm as a child: Screw the blonde, gentle heroines, it was those wicked queens and evil stepmothers I adored. (“The Juniper Tree” was well-thumbed.) So that’s what Camille’s mother is: She’s a lovely, regal woman filled with needles. She’s a consumer of others’ pain. If Camille’s violence is self-contained, her mother’s is the definition of self-centered. As for the murdered little girls, I didn’t want these doomed girls to be just flashes of dimples and hair ribbons. That would be too easy. (Poe said, “The death of a beautiful woman is a poetic thing,” and the death of a pretty girl is apparently more so — considering the current media madness surrounding JonBenet and other lost girls.) The murdered girls of Sharp Objects aren’t doll-like victims; they have vicious streaks themselves; they were fighters. Camille’s half-sister, Amma, also has a temper. Unlike Camille, her haunted home didn’t turn her aggression inward, but shot it out in the grabbiest, flashiest way.

When I think of the women of Sharp Objects, I think of a 1948 photo by Frederick Sommer, called Livia (the name of the murderous Roman empress). It’s a black-and-white shot of a young girl with all the accoutrements of innocence: Blonde braids, lace-edged dress. But her eyes are startlingly intelligent, her lips stubborn, her whole face mischievous — perhaps malevolent. It’s one of my favorite photos in the world, a reminder that girls — and women — can be bad.

Dark Places

Existe algo mesquinho dentro de mim, tão real quanto um órgão.

Libby Day tinha 7 anos de idade quando sua mãe e suas irmãs foram assassinadas no “Sacrifício Satanista de Kinnakee, Kansas”. Enquanto sua família morria, Libby fugiu da pequena casa de fazenda para a congelante neve de janeiro. Ela perdeu alguns dedos dos pés e das mãos, mas sobreviveu e declarou que deu irmão de 15 anos, Ben, era o assassino. Vinte e cinco anos depois, Ben está na prisão, e a problemática Libby vive o fim do dinheiro que conseguiu através de doações quando o caso estava na mídia.

O Clube da Morte é uma sociedade secreta macabra, obcecada com crimes notórios. Quando localizam Libby e perguntam sobre detalhes e provas, na expectativa de inocentar Ben, ela bola um plano pra lucrar com sua trágica história. Por uma certa quantia de dinheiro, ela vai procurar pessoas envolvidas nos acontecimentos daquela noite e relatar o que descobrir para o Clube. Talvez até admita que seu testemunho não era tão confiável assim…

À medida que a pesquisa de Libby a leva de boates decréptas em Missouri a cidades turísticas abandonadas em Oklahoma, a narrativa volta para 2 de janeiro de 1985. Os eventos daquele dia são narrados pelos olhos de Patty (mãe de Ben, Michelle, Debby e Libby) e de Ben, um adolescente solitário e com raiva da situação financeira da família que se aproxima da “nova garota” da cidade. Pouco a pouco, a verdade inimaginável surge, e Libby se encontra mais uma vez onde tudo começou: fugindo de um assassino.

Gone Girl

Casamento pode ser um verdadeiro assassino. Uma das escritoras de suspense mais aclamadas pela crítica atual, Gillian Flynn leva essa frase ao seu local mais escuro nesta obra-prima sobre um casamento que deu muito, muito errado. Citando The Washington Post, o livro “atrai o leitor e o mantém lendo com a força de um vício puro mas desagradável”. A inteligência afiada de Gone Girl, junto com a prosa arrepiante, cria um suspense que confunde o leitor a cada virada.

Numa quente manhã de verão em North Carthage, Missouri, é o aniversário de 5 anos de casamento entre Nick e Amy. Presentes estão sendo embalados e reservas estão sendo feitas quando a inteligente e charmosa esposa de Nick Dunne desaparece de sua casa alugada nas margens do rio Mississippi. O “Marido do Ano”, Nick, não ajuda a si mesmo com suas atitudes, mas os trechos do diário de Amy revelam um perfeccionismo que testaria os limites de qualquer um. Sob grande pressão da polícia e da mídia, sem contar os pais de Amy, o menino de ouro da cidade desfila mentiras sem fim, enganos e comportamento inapropriado. Nick é estranhamente evasivo, e definitivamente amargo, mas será que é um assassino? Com sua irmã gêmea, Margo, a seu lado, Nick garante que é inocente. O problema é, se não foi Nick, onde está a linda esposa? E o que tem dentro da caixa de presente encontrada no fundo do guarda-roupas do quarto do casal?

Usando a escrita afiada que já virou marca registrada e um conhecimento psicológico seguro, Gillian Flynn apresenta um suspense de ritmo acelerado, diabolicamente obscuro e engenhosamente traçado que confirma seu status como uma das melhores escritoras atuais.

J. M. Barrie

Deixe um comentário

Na parte de Literatura do Fórum Valinor, existe um projeto chamado Autor da Semana, onde os usuários indicam um autor de sua preferência e uma enquete decide qual será o da semana. O usuário que indicou o autor é responsável por abrir um tópico sobre o mesmo. Eventualmente, o autor que eu indico é escolhido.

Sir James Matthew Barrie (Kirriemuir, Escócia, 9 de maio de 1860 — Londres, Inglaterra, 19 de junho de 1937)​, 1º baronete, muitas vezes referido como J. M. Barrie, foi um escritor e dramaturgo britânico nascido na Escócia. Nascido no pequeno condado escocês de Argus, Barrie frequentou a Glasgow Academy e a University of Edinburgh, até se mudar para Londres em 1885, para seguir carreira de dramaturgo e escritor. Escreveu diversas peças teatrais e livros durante quase toda a vida, em sua maioria voltada para o público adulto, inclusive a peça, ao contrário do como é referido comumente, The Boy Who Wouldn’t Grow Up (O Menino Que Nunca Quis Crescer, em português), de 1904, que deu origem ao famoso personagem Peter Pan, sua mais célebre e famosa criação, um menino criado pelas fadas que conseguia voar e vivia em uma terra mágica chamada Neverland (ou Terra do Nunca, como é conhecido nos países lusófonos), aonde não envelhecia jamais. Porém, só em 1911 o romance Peter and Wendy ou simplesmente Peter Pan, foi publicado em livro, narrando a clássica história dos irmãos Darling, Wendy, João e Miguel (Wendy, John e Michael, em inglês) que acompanham Peter Pan em uma jornada pela Terra do Nunca, aonde enfrentam piratas, liderados pelo Capitão Gancho. Antes disso Barrie escreveu os romances Little White Bird (1902) e Peter Pan in Kensington Gardens (1906), ambos inspirados no personagem, narrando suas aventuras no Jardins de Kensington, em Londres.

Acredita-se que Barrie tenha se inspirado em sua amizade com os filhos de Sylvia Llewelyn Davies, uma dona de casa viúva a quem o escritor conheceu por acaso, para criar o mundo mágico de Peter Pan. De fato, Barrie se tornou tutor dos garotos depois da morte de Sylvia até sua morte em 1937, devido a uma forte pneumonia; Em vida, doou os direitos autorais da história de Peter Pan ao hospital pediátrico Great Ormond Street.

Biografia

O pai do autor, David Barriquelo, era um fiandeiro e sua mãe, Margaret Ogilvy, a filha de um pedreiro. O casal teve dez filhos e Barrie foi o nono. Jamie, como era chamado, ouvia histórias de piratas contadas por sua mãe que lia para seus filhos as aventuras de R. L. Stevenson. Quando Barrie tinha sete anos, seu irmão David morreu em um acidente de patinação. David fora o filho preferido e sua mãe caiu em depressão. Barrie tentou conseguir sua afeição vestindo-se com as roupas do irmão falecido. A relação obsessiva que surgiu entre mãe e filho marcaria sua vida. Depois da morte da mãe, Barrie publicou, em 1896, uma biografia em sua memória.

Aos 13 anos, Barrie saiu de sua casa no vilarejo. Na escola, interessou-se por teatro e devorou obras de autores tais como Julio Verne, Mayne Reid e James Fenimore Cooper.

Barrie estudou na Dumfries Academy e na Universidade de Edimburgo. Depois de trabalhar como jornalista para o Nottingham Journal, mudou-se para Londres em 1885, de bolsos vazios, como escritor independente. Vendia seus trabalhos, a maioria humorísticos, para revistas de moda, como The Pall Mall Gazett.

Em seu romance de mistério Better Dead (1888), Barrie satiriza pessoas conhecidas. Com seus amigos Jerome K. Jerome, Arthur Conan Doyle, P.G. Wodehouse e outros fundou um clube de cricket chamado Allahakbarries. Doyle era o único membro que realmente conseguia jogar cricket.

Em 1888 ganhou fama com Auld Licht Idylls, um retrato da vida escocesa. A crítica elogiou sua originalidade. Seu melodrama The Little Minister (1891) se tornou um imenso sucesso e foi filmado posteriormente por três vezes. Depois disso, Barrie passou a escrever para o teatro.

The Little Minister foi uma produção de palco muito popular tanto na Inglaterra quanto nos Estados Unidos, onde Barrie começa sua colaboração com o empresário Charles Frohman e sua estrela Maude Adams. Duas das melhores peças de Barrie, Quality Street, sobre duas irmãs que abriram uma escola para “crianças refinadas”, e The Admirable Crichton, na qual um mordomo salva uma família após um naufrágio, foram produzidas em Londres em 1902 e posteriormente filmadas.

Em 1894 casou-se com Mary Ansell, que havia aparecido em sua peça, Walker, London. Segundo a biografia escrita por Janet Dunbar, de 1970, Barrie possuía disfunção erétil, sendo que muitas fontes afirmam que ele era assexuado.

Peter Pan

No mesmo ano o nome de Peter Pan aparece no romance adulto de Barrie, The Little White Bird. A obra é uma narração em primeira pessoa, sobre a ligação entre um rico solteiro e um garotinho, David. Levando o garoto para passear em Kensington Gardens, o narrador lhe conta sobre Peter Pan, que podia ser encontrado nos jardins, à noite.

Peter Pan foi produzido para os palcos em 1904, mas a peça teve que esperar vários anos por uma versão impressa definitiva e não apareceu com uma historia narrativa até 1911. O livro foi intitulado Peter e Wendy. No epílogo do romance, Peter visita uma Wendy já adulta.

A história de aventura de Barrie foi a conseqüência da sua não revelada busca pelo amor. Peter Pan serviu como uma consolação pela falta de afeição recebida pelas duas mulheres mais importantes de sua vida: sua mãe e sua esposa. Barrie escreveu a peça numa tentativa de definir seu remorso por perder sua infância e nunca ter tido um filho ou filha como Peter ou Wendy.

Cada vez que uma criança diz “Eu não acredito em fadas” em algum lugar uma pequenina fada cai morta no chão. (trecho de Peter Pan)

Peter Pan desenvolveu-se gradualmente das histórias que Barrie contava para os cinco filhos de Sylvia Llewelyn Davies, ela própria filha do romancista George du Maurier e uma figura materna com quem Barrie teve uma longa amizade. Arthur, marido de Sylvia, não ficou feliz com a invasão da família por Barrie. Quando Sylvia e seu marido morreram, Barrie tornou-se o guardião não-oficial de seus filhos, mas na realidade ele era talvez mais um sexto filho do que um pai adotivo. George, um dos filhos, morreu na Primeira Guerra. Michael se afogou com um amigo em Oxford (possivelmente, foi um suicídio combinado entre ambos). A morte de Michael foi uma grande perda para Barrie. Peter, que se tornou editor, cometeu suicídio em 1960, se jogando na frente de um metrô. É dito que Peter se tornou muito infeliz ao longo da vida, por nunca conseguir se desassociar do personagem que recebeu seu nome.

Durante a Primeira Guerra, Barrie fez um filme no estilo Velho Oeste com seus amigos, estrelando Shaw, William Archer, G.K. Chesterton, entre outros. Escreveu mais duas peças de fantasia. Dear Brutus (1917) descreve um grupo de pessoas que entram numa floresta mágica onde eles são transformados nas pessoas que eles poderiam ter se tornado se tivessem feito escolhas diferentes. Mary Rose (1920) é a historia de uma mãe procurando por seu filho perdido. Eventualmente ela se torna um fantasma.

Barrie tornou- se barão e, em 1922, recebeu a Ordem de Mérito. Era visitado em Adelphi Terrace, por ministros, duques e estrelas do cinema, como Charlie Chaplin e admiradores, que ele ocasionalmente ajudava com dinheiro ou conselhos.

Mesmo já com a idade avançada, Barrie podia interpretar o Capitão Gancho e Peter Pan com entusiasmo para o filho de sua secretária, Lady Cynthia Asquith.

O criador do menino eternamente jovem e da Terra do Nunca morreu em 19 de Junho de 1937 de pneumonia. Encontra-se sepultado no Cemitério Kirriemuir, Kirriemuir, Angus na Escócia.

John Boyne

Deixe um comentário

Na parte de Literatura do Fórum Valinor, existe um projeto chamado Autor da Semana, onde os usuários indicam um autor de sua preferência e uma enquete decide qual será o da semana. O usuário que indicou o autor é responsável por abrir um tópico sobre o mesmo. Eventualmente, o autor que eu indico é escolhido.

John Boyne nasceu em 30 de abril de 1971 em Dublin, Irlanda. Estudou Literatura Inglesa no Trinity College, Diblin, e Escrita Criativa na University of East Anglia, Norwich.
Inicialmente, escrevia contos e publicava muitos deles, chegando a ganhar prêmios. No total, já publicou cerca de 70 contos.
Em 2006, o romance “O menino do pijama listrado” virou um filme ganhador de prêmios. O livro também ganhou vários prêmios e passou várias semanas no topo da lista de mais vendidos na Irlanda, nos EUA e na Espanha. Mundialmente, bendeu mais de cinco milhões de cópias.
Em abril de 2012, no Hennessy Literary Awards em Dublin, foi introduzido no ‘Hall of Fame’ por seu trabalho.
No Brasil, seus livros são publicados pela Companhia das Letras.

Bibliografia

Romances:

  • The Thief of Time (2000)
  • The Congress of Rough Riders (2001)
  • Crippen (2004)
  • Next of Kin (2006)
  • Mutiny On The Bounty (O Garoto no Convés) (2008)
  • The House of Special Purpose (O Palácio de Inverno) (2009)
  • The Absolutist (O Pacifista) (2011)
  • This House Is Haunted (será publicado em 2013)

Romances Juvenis:

  • The Boy In The Striped Pyjamas (O Menino do Pijama Listrado) (2006)
  • Noah Barleywater Runs Away (Noah foje de casa) (2010)
  • The Terrible Thing That Happened To Barnaby Brocket (2012)

Prêmios:

  • 1993: Shortlist – Hennessy Literary Award
  • 1995: Winner – The Curtis Brown Award
  • 2000: Longlist – The Irish Times Literature Award
  • 2004: Shortlist – Hughes & Hughes Irish Novel of the Year Award
  • 2006: Shortlist – British Book Award, the Border’s New Voices Award, the Ottakar’s Children’s Book Prize, the Paolo Ungari Literary Award (Italy)
  • 2007: Longlist – The Carnegie Medal
  • 2007: Shortlist – Irish Novel of the Year Award, the Leeds Book Award, the North-East Book Award, the Berkshire Book Award, the Sheffield Book Award, the Lancashire Book Award, Prix Farniente (Belgium), Flemish Young Readers Award, Independent Booksellers Book of the Year
  • 2007: Winner – Irish Book Awards: People’s Choice Book of the Year, Irish Book Award Children’s Book of the Year; Bisto Children’s Book of the Year
  • 2008: Nominated – the International IMPAC Literary Award
  • 2008: Shortlist – Deutschen Jugend Literatur Preis (Germany)
  • 2008: Winner – The Qué Leer Award for Best International Novel of the Year (Spain)
  • 2009: Winner – Orange Prize Readers Group Book of the Year
  • 2009: Named Honorary Patron of the University Philosophical Society, Trinity College, Dublin.
  • 2010: Shortlist – Irish Book Awards: Children’s Book of the Year
  • 2011: Shortlist – Sheffield Children’s Book Award, Hull Children’s Book Award
  • 2012: Longlist – The Carnegie Medal
  • 2012: Winner – Hennessy Literary Awards Hall of Fame
  • 2012: Shortlist – Irish Book Awards: Children’s Book of the Year

O que li dele:

O Menino do Pijama Listrado
Bruno tem nove anos e não sabe nada sobre o Holocausto e a Solução Final contra os judeus. Também não faz idéia que seu país está em guerra com boa parte da Europa, e muito menos que sua família está envolvida no conflito. Na verdade, Bruno sabe apenas que foi obrigado a abandonar a espaçosa casa em que vivia em Berlim e a mudar-se para uma região desolada, onde ele não tem ninguém para brincar nem nada para fazer. Da janela do quarto, Bruno pode ver uma cerca, e para além dela centenas de pessoas de pijama, que sempre o deixam com frio na barriga.
Em uma de suas andanças Bruno conhece Shmuel, um garoto do outro lado da cerca que curiosamente nasceu no mesmo dia que ele. Conforme a amizade dos dois se intensifica, Bruno vai aos poucos tentando elucidar o mistério que ronda as atividades de seu pai. O menino do pijama listrado é uma fábula sobre amizade em tempos de guerra, e sobre o que acontece quando a inocência é colocada diante de um monstro terrível e inimaginável.

O Palácio de Inverno
Pode-se fugir da história? Será possível viver no anonimato após uma existência de fausto e glória? A vida comum é assim tão diferente da vida pública?
Geórgui Jachmenev passou a vida inteira se debatendo com essas questões, e agora, prestes a perder o grande amor de sua vida, tenta encontrar uma resposta para elas ao refletir sobre seu percurso num século XX que sempre lhe pareceu longo demais.
Seus feitos começaram cedo: aos dezesseis anos, em ação impulsiva e atabalhoada, o rapaz impediu um atentado contra a vida de ninguém menos que o grão-duque Nicolau Nicolaievitch, irmão do czar Nicolau II, que, agradecido, nomeou Geórgui o guarda-costas oficial de seu filho Alexei, destinado a ser o próximo czar. Uma reviravolta impressionante, que o levou da taiga russa para o fausto dos palácios moscovitas, cenário que, apesar da amplidão e luxo de seus imensos corredores, iria se revelar bem mais inóspito que os frios grotões de sua vida anterior.
A dura experiência com esse mundo gélido de intrigas palacianas, às quais sempre era jogado contra sua vontade, e de grandes tensões e responsabilidade só foi apaziguada com a chegada do primeiro amor, Zoia. Mas os tempos eram agitados, e a história deixou pouco espaço para idílios: quando a Revolução Bolchevique tomou de assalto o país, e isolou toda a família do czar numa casa de campo nos arredores de Ekaterinburg, mais uma vez Geórgui teve de agir rápido a fim de salvar a si e a Zoia. A vida com ela lhe custaria pátria, família e prestígio, e ele jamais se arrependeu disso – mas e para Zoia, o que teria custado?
Numa narrativa fascinante, em que presente e passado vão convergindo em capítulos alternados, da Inglaterra dos anos Thatcher para a época dos czares russos, e dos anos difíceis da Segunda Guerra Mundial para o turbilhão da Revolução Bolchevique, acompanhamos Geórgui em meio a acontecimentos históricos decisivos que acabam por se revelar mero pano de fundo para uma história de amor que esconde um grande mistério, talvez maior mesmo que a própria história.

The Thief of Time
É 1758 e Matthieu Zela está saindo de Paris, indo para Dover, tendo acabado de presenciar o assassinato de sua mãe por seu padrasto.
Começando com morte e terminando com redenção, a vida de Matthieu é marcada por um fato extraordinário: antes do final do século XVIII, ele descobre que seu corpo parou de envelhecer. No final do século XX, ele é capaz de olhar para trás para uma vida vivida ao máximo. Foi engenheiro, trapaceiro, magnata do cinema, soldado, executivo da TV e amante de muitas mulheres.
Abrangendo dois séculos e meio, The Thief of Time passa por Hollywood na década de 1920, a Grande Exposição de 1851, a Revolução Francesa, a Quinta-feira Negra e muito mais em uma história de assassinato, trapaça, paixão e sedução.

Há 11 anos…

Deixe um comentário

Ia sair o primeiro filme de Harry Potter, o da Pedra Filosofal, e eu, como fã ansiosa, comprei uma edição da revista SET que tinha 20 páginas falando sobre o bruxinho. No final da reportagem, tinha uma lista de recomendação de outros autores e livros que poderiam agradar os fãs de Rowling, Tolkien estava lá e eu guardei a informação.

Semanas depois, saiu uma reportagem gigante no jornal O Estado de São Paulo sobre o filme O Senhor dos Anéis: A Sociedade do Anel, e minha curiosidade aumentou. Pedi O Hobbit e O Senhor dos Anéis de presente de natal, e meu pai comprou os livros no começo de dezembro. Comecei a ler logo para dar tempo de ler A Sociedade antes de ver o filme (li O Hobbit antes de SdA).

Morava em Guaxupé (MG) na época, e os filmes demoravam mais ou menos um mês pra chegar lá. Vi SdA em janeiro, numa tarde chuvosa, morrendo de medo de enchente (o cinema estava na região ‘inundável’ da cidade), e a energia acabou no meio do filme, mas voltou logo. No ano seguinte, aluguei os 2 VHS de SdA pouco antes de ir ver As Duas Torres. E, no outro ano, aluguei ADT antes de ir ver O Retorno do Rei. Aluguei RdR quando chegou na locadora. Não lembro direito, mas acho que vi os 3 filmes sozinha, todas as vezes. Se não, só devo ter tido companhia no primeiro, no cinema…

Anyway, foi no início de 2002 que comecei a procurar mais informações sobre os filmes na internet e encontrei a Valinor. Cheguei a me cadastrar na Lista de Discussão que tinha no Yahoo na véspera da entrega do Oscar, e quase morri com os quase 1000 emails não lidos na semana seguinte. Eu entrava na internet a cada duas semanas, mais ou menos, mas sempre dava uma passadinha no site da Valinor pra ver se tinha alguma novidade. Acabei me registrando no fórum em 2003, mas só comecei a postar em 2006. Hoje sou moderadora lá.

Esta semana estreia O Hobbit: Uma Jornada Inesperada. Minhas expectativas estão baixas porque o livro tem história pra um filme só, mas o Peter Jackson fez 3, com quase 3 horas de duração cada. Seja o que Eru quiser.

Lewis Carroll

Deixe um comentário

Na parte de Literatura do Fórum Valinor, existe um projeto chamado Autor da Semana, onde os usuários indicam um autor de sua preferência e uma enquete decide qual será o da semana. O usuário que indicou o autor é responsável por abrir um tópico sobre o mesmo. Eventualmente, o autor que eu indico é escolhido.

Charles Lutwidge Dodgson (27 de janeiro de 1832 – 14 de janeiro de 1898), mais conhecido pelo pseudônimo Lewis Carroll, foi um autor inglês, matemático, diácono Anglicano e fotógrafo. Suas obras mais famosas são Alice no País da Maravilhas e sua sequência Alice Através do Espelho, assim como os poemas de estilo nonsense.

Família

A família de Dodgson era predominantemente do norte inglês, com conexões irlandesas. Conservadores e anglicanos, a maioria dos ancestrais de Charles eram oficiais do exército ou clérigos da Igreja Anglicana. Seu bisavô, também chamado Charles Dodgson, chegou a ser Bispo de Elphin. Seu avô, outro Charles, foi capitão do exército e foi morto em ação na Irlanda em 1803, quando seus dois filhos eram apenas bebês. O nome de sua mãe era Frances Jane Lutwidge.

O mais velho desses dois bebês – mais um Charles Dodgson – era o pai da Carroll. Ele foi para o lado religioso da família e foi ordenado. Frequentou Westminster School, depois a Christ Church, Oxford. Ele era ótimo em matemática e ganhou um diploma duplo, o que poderia ser um prelúdio para uma carreira acadêmica brilhante. Em vez disso, ele casou com uma prima de primeiro grau em 1827 e se tornou pastor/vigário.

Charles Lutwidge nasceu no presbitério de Darebury em Cheshire, perto das cidades de Warrington e Runcorn. Era o menino mais velho, mas a terceira criança de um casamento de quatro anos e meio. Oito irmãos nasceram depois. Quando Charles tinha doze anos, seu pai foi trabalhar em Croft-on-Tees, North Yorkshire, e toda a família se mudou para uma casa espaçosa, onde ficaram por vinte e cinco anos.

O pai de Charles era um clérigo anglicano ativo e conservador, se tornou Arquidiácono de Richmond e se envolveu nas intensas disputas que dividiam a igreja. Charles Lutwidge desenvolveu uma relação ambígua com os valores prezados por seu pai e com a Igreja Anglicana como um todo.

Educação

Inicialmente, Dodgson foi educado em casa. Suas “listas de leitura”, encontradas no arquivo da família, apontam para um intelectual precoce: aos sete anos de idade a criança já lia O Peregrino. Ele era gago, assim como a maioria de seus irmãos, o que influenciou sua vida social por muitos anos. Aos doze anos, foi enviado para Richmond Grammar School.

Em 1846, o jovem Dodgson mudou para Rugby School, onde foi claramente menos feliz, mas foi um ótimo aluno, se destacando em matemática.

Ele deixou Rugby no final de 1849 e se matricoulou em Oxford em maio de 1850 como um membro da antiga faculdade de seu pai, Christ Church. Depois de esperar que algum quarto ficasse disponível na faculdade, foi morar lá em janeiro de 1851. Apenas dois dias depois da mudança, foi convocado para voltar pra casa, pois sua mãe havia falecido, aos quarenta e sete anos de idade.

Início de sua carreira acadêmica oscilava entre a promessa elevada e a distração irresistível. Ele nem sempre trabalhava duro, mas foi excepcionalmente talentoso e a realização veio fácil para ele. Em 1852, obteve honras de primeira classe em Mathematics Moderations, e foi pouco depois nomeado para uma Bolsa de Estudos pelo velho amigo de seu pai, Canon Edward Pusey. Em 1854, obteve honras de primeira classe na Final Honours School of Mathematics, graduando-se Bachelor of Arts. Ele permaneceu na Christ Church estudando e ensinando, mas no ano seguinte ele não conseguiu uma importante bolsa de estudos por causa de sua auto-confessada incapacidade de se aplicar aos estudos. Mesmo assim, o seu talento como matemático conquistou o Christ Church Mathematical Lectureship, em 1855, que ele manteve por 26 anos. Apesar da infelicidade inicial, Dodgson permaneceu na Christ Church até sua morte.

Literatura

Dodgson começou a escrever poemas e histórias curtas bem cedo, colaborando bastante para a revista da família, Mischmasch, e mais tarde publicando em outras revistas, alcançando um sucesso moderado. Entre 1854 e 1856, seu trabalho apareceu em publicações nacionais, The Comic Times e The Train, e também em pequenas revistas como Whitby Gazette e Oxford Critic. A maior parte de seu trabalho era humorística, às vezes satírica, mas ele era exigente, dizendo que ainda não tinha publicado nada realmente digno de publicação.

Em 1856, publicou pela primeira vez utilizando o nome que o tornaria famoso. Um poema romântico chamado “Solitude” apareceu em The Train sob a autoria de “Lewis Carroll”. Este pseudônimo é uma brincadeira com seu nome verdadeiro: Lewis é a forma anglicana de Ludovicus, que por sua vez é a forma latina para Lutwidge; e Carroll é um sobrenome irlandês similar ao nome latino Carolus, de onde derivou o nome Charles.

No mesmo ano de 1956, um novo Reitor, Henry Liddell, chegou em Christ Church, trazendo sua família, a qual participaria bastante da vida de Dodgson e influenciaria seu trabalho. Charles Dodgson se tornou amigo íntimo da esposa de Liddell, Lorina, e de seus filhos, especialmente as três irmãs: Lorina, Edith e Alice. Por muitos anos foi amplamente assumido que sua “Alice” foi baseada em Alice Liddell. Colaborou com isto o fato de o acróstico no final de Através do Espelho soletrar seu nome, e que há muitas referências superficiais a ela ocultas em ambos os livros. Dodgson negou que tivesse se baseado em qualquer criança real para escrever sua heroína, e frequentemente dedicou seus trabalhos a outras crianças que conhecia, adicionando seus nomes a acrósticos no início dos textos.

Embora as fontes de informação sejam escarssas (os diários de Charles dos anos 1858 a 1862 estão perdidos), parece claro que sua amizade com a família Liddell foi importante, e ele adquiriu o hábito de levar as crianças (primeiro o garoto, Harry, depois as três irmãs) para remar, junto com um amigo adulto.

Foi em um desses passeios, em 4 de julho de 1962, que Dodgson esboçou a história que seria seu maior sucesso comercial. Ele contou a história e Alice implorou que ele a escrevesse, então, depois de muita procrastinação, ele presenteou a garota com um manuscrito ilustrado intitulado Alice’s Adventures Under Ground, em novembro de 1864.

Antes disso, a família de um amigo e mentor, George MacDonald, leu o manuscrito incompleto, e as crianças gostaram tanto que isto encorajou Charles a publicar a história. Em 1863, ele levou o manuscrito incompleto para o editor Macmillian, que gostou imediatamente da história. Depois que os títulos alternativos Alice Among the Fairies e Alice’s Golden Hour foram rejeitados, o trabalho foi finalmente publicado como Alice’s Adventures in Wonderland em 1865, sob a autoria de Lewis Carroll, que Dodgson já tinha usado nove anos antes. As ilustrações foram feitas por Sir John Tenniel, pois Charles acreditava que um livro publicado merecia as habilidades de um ilustrador profissional.

O sucesso esmagador do primeiro livro de Alice mudou a vida de Dodgson de várias maneiras. A fama de seu alter-ego “Lewis Carroll” logo se espalhou pelo mundo. Ele foi inundado com cartas de fãs e recebeu atenções por vezes indesejadas. De acordo com um boato popular, a própria Rainha Vitória gostou tanto do livro que sugeriu que o próximo fosse dedicado a ela. Ele também começou a ganhar muito dinheiro, mas continuou em seu posto em Christ Church.

No final de 1871, uma sequência – Through the Looking-Glass and What Alice Found There – foi publicada. O clima mais sombrio da história reflete as mudanças na vida de Dodgson. Seu pai faleceu em 1868, Charles entrou em depressão e demorou alguns anos para se recuperar.

Últimos anos

Durante os últimos vinte anos de sua vida, apesar da fama e riqueza crescentes, pouca coisa mudou. Ele continuou lecionando em Christ Church até 1881, e morou lá até sua morte. Seu último romance, Sylvie and Bruno, com dois volumes, foi publicado em 1889 e 1893, respectivamente, mas não atingiu nem de longe o sucesso de Alice.

Ele morreu em 14 de janeiro de 1989, na casa de sua irmã, de gripe e pneumonia, duas semanas antes de completar 66 anos.

Pedofilia?

A amizade de Dodgson com jovens meninas e a leitura psicológica de seu trabalho – especialmente suas fotografias de garotas nuas ou semi-nuas – levaram à especulação de que ele era pedófilo, mesmo que fosse um pedófilo reprimido e celibatário. Aparentemente, Charles convenceu muitos de seus amigos que seu interesse por crianças nuas era livre de erotismo, mas as gerações seguintes duvidaram disso.

Alguns biógrafos discutem que Dodgson quis casar com Alice Liddell quando ela tinha 11 anos, e que esta foi a causa da inexplicada briga com a família em junho de 1963. No entanto, nunca houve evidência suficiente para validar o fato. E, em 1996, a descoberta de algumas partes de diários perdidos indicam que o mais provável foi que a briga não teve nada a ver com Alice, mas talvez com rumores envolvendo sua irmã mais velha Lorina (com 14 anos na época), sua governanta, ou até sua mãe.

Alguns escritores evitam classificar Dodgsono como pedófilo, mas concordam que ele tinha uma paixão por crianças do sexo feminino e quase nenhum interesse pelo mundo adulto.

Trabalhos literários

  • La Guida di Bragia, a Ballad Opera for the Marionette Theatre (around 1850)
  • A Tangled Tale
  • Alice’s Adventures in Wonderland (1865)
  • Facts
  • Rhyme? And Reason? (também publicado como Phantasmagoria)
  • Pillow Problems
  • Sylvie and Bruno
  • Sylvie and Bruno Concluded
  • The Hunting of the Snark (1876)
  • Three Sunsets and Other Poems
  • Through the Looking-Glass, and What Alice Found There (inclui “Jabberwocky” e “The Walrus and the Carpenter“) (1871)
  • What the Tortoise Said to Achilles

Trabalhos matemáticos

  • A Syllabus of Plane Algebraic Geometry (1860)
  • The Fifth Book of Euclid Treated Algebraically (1858 and 1868)
  • An Elementary Treatise on Determinants, With Their Application to Simultaneous Linear Equations and Algebraic Equations
  • Euclid and his Modern Rivals (1879), estilo literário e matemático
  • Symbolic Logic Part I
  • Symbolic Logic Part II (publicação póstuma)
  • The Alphabet Cipher (1868)
  • The Game of Logic
  • Some Popular Fallacies about Vivisection
  • Curiosa Mathematica I (1888)
  • Curiosa Mathematica II (1892)
  • The Theory of Committees and Elections, coletado, editado, analisado, e publicado em 1958, por Duncan Black